ARAÇATUBA | 11 DEZEMBRO
| 14:7 | 20° MIN 33°MAX |
Predomínio de Sol - Fonte: CPTEC/INPE
POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO
Anunciante
adia
STJ adia de novo julgamento sobre Estaleiro Rio Tietê
Anunciante

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) voltou a adiar, na última semana, o julgamento de recurso sobre quem deve apreciar processo impetrado pelo MPF (Ministério Público Federal), sobre possíveis irregularidades na instalação do ERT (Estaleiro Rio Tietê) em Araçatuba.


Araçatuba recebeu o estaleiro durante o governo da presidente em vias de ter o mandato cassado, Dilma Rousseff (PT), para a construção de 20 comboios com empurradores e barcaças para o transporte de etanol pelo rio Tietê.


Após o MPF apontar uma série de irregularidades e arrolar 32 pessoas, empresas e órgãos públicos como réus na ação que está em curso, a Justiça Eleitoral de Araçatuba se julgou incapaz de sentenciar sobre o caso, uma vez que a contratação foi efetuada pela Transpetro, subsidiária da Petrobras, que tem sede no Rio de Janeiro.


O caso chegou a ser encaminhado para a Justiça federal carioca, que também se viu impedida de julgá-lo. No entanto, o STJ entendeu, em um primeiro julgamento, que a ação deveria ser apreciada no Rio de Janeiro depois disso, uma empresa acusa de envolvimento nas possíveis irregularidades recorreu, pedindo para que a situação tivesse um desfecho em Araçatuba.


O STJ chegou a marcar para o último dia 24 o julgamento deste recurso, mas acabou adiando novamente. Com isso, o processo sobre possíveis danos causados aos cofres públicos, decorrentes do ERT, continua parado.


Uma situação que coloca em risco o próprio futuro do estaleiro, que, dos 20 comboios, deve construir apenas quatro, uma vez que, envolvida no escândalo do Petrolão, a Transpetro suspendeu o contrato para a aquisição de todos os empurradores e barcaças.


Anunciante
O Araçatuba e Região não se responsabiliza pelas notícias de terceiros.
Entre em contato através do telefone ou whatsapp a seguir e saiba como anunciar aqui
(18) 99774 5888
Copyright © 2018 Política e Mais. Todos os direitos reservados.