ARAÇATUBA | 15 NOVEMBRO
| 8:37 | 22° MIN 31°MAX |
Pancadas de Chuva - Fonte: CPTEC/INPE
CIDADES
Anunciante
bolso
Plano de concessão da Prefeitura de Araçatuba para "exportar" lixo vai atingir bolso da população
Anunciante
A imprensa de Araçatuba noticia nesta terça-feira (05), que, com projeto que será votado pela Câmara nesta quarta-feira (06), a Prefeitura cogita exportar o lixo produzido na cidade para outro município. O Política e Mais antecipou esta notícia em 31 de outubro do ano passado.

E o blog foi além. Disse que o lixo de Araçatuba pode parar em um aterro sanitário da empresa Monte Azul Ferraz, em Osvaldo Cruz, cidade localizada a 98 quilômetros. Lá, a prestadora de serviços de limpeza já tem o que o grupo Estre Ambiental não conseguiu em terras araçatubenses: o aval de todos os órgãos ambientais, principalmente da Cetesb.

Uma outra possibilidade seria a cidade de Coroados, onde o grupo Solvi, dono da Revita Engenharia, já possui um centro de manejo de resíduos para produção de adubo orgânico. No entanto, a cidade ainda não tem um grande aterro sanitário, legalizado, para receber lixo da região. Situação que também não amenizaria em muita coisa os custos para os araçatubenses.

CONCESSÃO DO LIXO - MAIS CARO

Seria lindo e maravilhoso pensar que Araçatuba pode ficar sem lixão, aterro sanitário ou qualquer coisa do tipo se a matemática não indicasse claramente que tudo vai afetar diretamente o bolso da população.

E o entendimento disso é simples. Hoje, a Prefeitura de Araçatuba gasta cerca de R$ 1,8 milhões ao mês para que a Revita Engenharia faça a coleta do lixo pela cidade e o manejo em um aterro que pertence ao município. Bem ou mal, é um patrimônio que pertence à população.

Para levar o lixo de Araçatuba para qualquer outra cidade, a administração municipal vai continuar gastando para que ele seja coletado e ainda terá de pagar pelo traslado e seu despejo em uma pertencente a uma empresa. Logo, tudo isso vai ficar mais caro para a população que já paga pela coleta e destinação de resíduos junto ao IPTU.

Em seu projeto enviado à Câmara, o governo municipal alega que com essa terceirização. Na prática uma concessão por meio de PPP (Parceria Público Privada), terá condições de se dedicar a questões mais prioritárias, como saúde e educação. Ou seja, quer fazer agora, no apagar nas luzes, o que não fez direito em outros sete anos.

Durante a sessão da Câmara, nesta quarta-feira, muitos serão os argumentos em favor desta PPP. Resta saber se os vereadores deixarão claro quais serão os interesses pessoais de cada um em suas sustentações. Principalmente, porque o encarecimento do serviço é visível.copy cheap red bottoms christian louboutin shoes replica cheap knockoff diamond wedding slingback christian louboutin
Anunciante
O Araçatuba e Região não se responsabiliza pelas notícias de terceiros.
Entre em contato através do telefone ou whatsapp a seguir e saiba como anunciar aqui
(18) 99774 5888
Copyright © 2018 Política e Mais. Todos os direitos reservados.