ARAÇATUBA | 18 JUNHO
| 19:38 | 16° MIN 28°MAX |
Pancadas de Chuva a Tarde - Fonte: CPTEC/INPE
CIDADES
CIDADES
Padre Renê afirma que invasores do MST a fazenda de Oscar Maroni estão preparados para ficar por tempo indeterminado
Os 300 integrantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) que ocuparam, na manhã desta terça-feira (17), a Fazenda Santa Cecília, em Araçatuba, estão preparados e dispostos a ficar por tempo indeterminado na propriedade, que pertence ao empresário Oscar Maroni. A área tem cerca de 700 alqueires (1.694 hectares) e o MST exige que ela seja destinada à Reforma Agrária.

Desta vez, os integrantes do MST conseguiram entrar na propriedade e se instalaram nos galpões da fazenda. Conforme o padre Renê Parren, líder do MST na região de Araçatuba e integrante da direção estadual do movimento, há mantimentos suficientes para que as famílias fiquem no local por tempo indeterminado. Nas outras invasões, eles permaneceram do lado de fora da fazenda.

"O pessoal está animado e disposto a ficar quanto tempo for necessário", disse o padre. Eles são de Araçatuba, Promissão e Bauru, principalmente, e fazem parte de grupos de acampados que aguardam uma área para produzir alimentos. "O MST exige que a área seja destinada para a Reforma Agrária e, posteriormente, para a construção de um assentamento onde as famílias possam morar e produzir alimentos agroecológicos, trabalhando sob relações de gênero igualitárias", diz a nota oficial do movimento.

Equipes da Polícia Militar estão no local e acompanham a situação. Por enquanto, não houve confrontos. A invasão faz parte do Dia Nacional da Luta Camponesa, celebrado em 17 de abril, e da Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária. Nesta terça-feira, os movimentos Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo realizam mobilizações em todo o País.

O objetivo, segundo o padre Renê Parren, é a inclusão da reforma agrária na pauta do governo federal e lembrar os 22 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás, em que 19 trabalhadores rurais foram mortos brutalmente pela Polícia Militar.

[gallery ids="7884,7885,7886,7887,7888,7889"]

A ocupação é também um protesto contra a prisão do ex-presidente Lula, que eles consideram arbitrária e um risco à democracia brasileira. "Golpes vêm sendo aplicados em cima da classe trabalhadora e Lula representa os anseios da luta dos trabalhadores", afirmou o padre, que lembrou ainda que o movimento reivindica agilidade nas investigações do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes, há um mês, no Rio de Janeiro.

A Fazenda Santa Cecília já foi alvo de outras cinco invasões. Dos 700 alqueires, 600 estão arrendados para a multinacional Raízen, formada a partir da parceria entre o Grupo Cosan e a Shell. A propriedade chegou a ser leiloada pela Justiça trabalhista, em 2015, e colocada à venda por R$ 55 milhões.

Maroni é conhecido como o dono do Bahamas Club, boate localizada em São Paulo. Chegou a ser acusado pelo Ministério Público de manter casa de prostituição e de facilitar ou "induzir" prostituição alheia. Foi condenado em primeira instância, em 2011, mas absolvido pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) no ano passado.

Na sexta-feira que antecedeu a prisão de Lula, Maroni distribuiu nove mil latas de cerveja ao público que foi à sua casa noturna, cumprindo a promessa de oferecer a bebida caso o ex-presidente fosse preso.

FOTOS: Márcio Adalto/SBT Interior
Anunciante
O Araçatuba e Região não se responsabiliza pelas notícias de terceiros.
Entre em contato através do telefone ou whatsapp a seguir e saiba como anunciar aqui
(18) 99774 5888
Copyright © 2018 Política e Mais. Todos os direitos reservados.