ARAÇATUBA | 10 DEZEMBRO
| 20:25 | 18° MIN 32°MAX |
Parcialmente Nublado - Fonte: CPTEC/INPE
CIDADES
Anunciante
CIDADES
EXCLUSIVO: Médium de Uberaba psicografa mensagem que teria sido enviada por policial civil morto no assalto à Protege
Anunciante
O policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o assalto à empresa de transporte de valores Protege, em outubro do ano passado, teria enviado uma mensagem à família durante uma sessão de psicografia realizada pelo médium Carlos Antônio Baccelli, no Lar Espírita Pedro e Paulo, em Uberaba (MG), em fevereiro deste ano.

A mensagem foi recebida em um sábado, quando integrantes de caravanas de todas as partes do Brasil, inclusive de Araçatuba, aguardavam uma palavra de consolo de seus entes queridos já desencarnados. A mãe de André, Iracema, e uma tia, chamada Isaura, estavam presentes à sessão.

Baccelli é, hoje, considerado o principal médium espírita na psicografia, que consiste em escrever algo que teria sido ditado ou sugerido por um espírito desencarnado. O médium mineiro conviveu durante mais de 30 anos com Chico Xavier, tendo, inclusive, várias obras em parceria com o mais famoso médium espírita do Brasil e do mundo.

Aos sábados e domingos, Baccelli atende na casa espírita que mantém em Uberaba. Em fevereiro deste ano, um ônibus com moradores de Araçatuba e outras cidades da região, seguiram rumo a Uberaba, no Triângulo Mineiro. Centenas de pessoas estavam presentes no lar espírita naquele sábado, quando Baccelli passou a ler a mensagem que contava o drama de um policial civil morto em serviço, durante um assalto.

No texto, lido e gravado em um CD pelo médium, o espírito comunicava à mãe e à tia, presentes à sessão, que se sentira no dever de verificar o que estava ocorrendo ao ouvir o barulho de disparos. Conta, ainda, que fora detido por dois homens, que o mataram praticamente à queima-roupa.

O espírito relata que fora socorrido, mas que entrara em estado de choque, vindo a desencarnar no hospital. Diz, ainda, que não se arrependia do que tinha feito, pois morrera no cumprimento de seu dever. Na carta, afirma sentir muito pela Silvia (esposa) e pelos meninos (embora o policial tivesse duas filhas, e não filhos). Na psicografia, enviou um abraço ao irmão Luiz Gustavo e pediu à mãe que não chorasse. (Leia, na íntegra, a carta psicografada).

O Política e Mais, há poucos dias, entrou em contato com a mãe do policial civil morto durante o assalto à empresa de valores. Ela disse que não queria se manifestar sobre o assunto, que preferia guardar a questão para ela. No entanto, como ela viajou com um grupo de outras pessoas ao Lar Espírita em Uberaba, a gravação acabou vazando. A mensagem foi divulgada também em programas de cunho espírita.

A MORTE DO POLICIAL

O policial André Luís Ferro da Silva tinha 37 anos e integrava o GOE (Grupo de Operações Especiais) da Polícia Civil. Ele foi assassinado na madrugada do dia 16 de outubro do ano passado, durante um assalto à empresa de transporte de valores Protege, localizada no bairro Santana, em Araçatuba.

Ferro fora convocado a se apresentar à Delegacia Seccional por causa do assalto. Antes, porém, decidiu verificar o que estava acontecendo, quando foi atingido por dois tiros disparados pelo ocupante de uma caminhonete.

O assalto à Protege teve repercussão nacional. Além de matar o policial civil, os bandidos dispararam contra o quartel do CPI-10 (Comando de Policiamento do Interior) de Araçatuba e atearam fogo em dois caminhões para evitar que viaturas deixassem o quartel.

Os policiais militares ficaram sitiados e sem comunicação via rádio, pois o fogo dos veículos atingiu a rede elétrica. Os bandidos teriam usado granadas e fuzis contra os policiais. Para abrir o cofre da Protege, os assaltantes teriam usado dinamite. Moradores do Santana e redondezas ficaram aterrorizados com os estrondos de armas e explosivos.

[embed]https://www.youtube.com/watch?v=w-VftyFMASA&feature=youtu.be[/embed]

ÍNTEGRA DA CARTA PSICOGRAFADA PELO MÉDIUM CARLOS BACCELLI:

"Querida mamãe Iracema, querida tia Isaura. Deus nos proteja. Estou aqui, estou sendo auxiliado por uma senhora de nome Benedita. Benedita Fernandes. Mamãe, a senhora sabe o que aconteceu naquela noite de pavor. Na condição de policial, me senti no dever de investigar o que estava acontecendo.

Identifiquei o barulho dos disparos, inclusive de armas automáticas, e fui para saber o que poderia ser feito. Cheguei a imaginar que colegas meus estavam em dificuldade trocando tiros com alguns marginais que estivessem assaltando uma agência bancária.

Eu não fazia ideia da extensão do problema, quando ao ser detido ao caminho, dois deles, percebendo que eu era policial, atiraram contra mim praticamente à queima roupa. Daí, mamãe, e querida tia Isaura, eu não pude ver mais nada. Entrei em estado de choque e não consegui abrir os olhos e nem movimentar as mãos.

Compreendi tudo posteriormente, mas de fato, consumiria muito tempo da reunião um depoimento mais detalhado. Sei que fui conduzido para um hospital, onde os médicos, notando a minha situação, deixaram que eu permanecesse em repouso e saísse naturalmente daquele estado de torpor.

Não me arrependo do que fiz, mãezinha. Deixei o corpo no cumprimento do dever e isto me tranquiliza a consciência. Claro que senti e sinto muito pela senhora, pela Silvia e pelos meninos. Mas sei que a morte não existe e que não estamos separados em definitivo. Somente a constatação da própria imortalidade consegue se contrapor ao sentimento de saudade que nos assalta o coração.

O meu abraço ao Luiz Gustavo, meu irmão. E peço a vocês que me perdoem pela possível omissão de maiores esclarecimentos nesta pequena carta. Muitos estão aqui à espera de sua vez e não podemos gastar os minutos que não nos pertencem.

Mamãe, não chore. O seu filho, graças aos exemplos que recebeu em nossa casa desde o berço, não descambou para o caminho do mal. Deixo-lhes aqui o meu carinho e a minha saudade. Vários familiares nossos já vieram estar comigo, inclusive a vovó Luiza. Com todo meu coração, agradecido, sou sempre seu, André Luís. André Luís Ferro da Silva."
Anunciante
O Araçatuba e Região não se responsabiliza pelas notícias de terceiros.
Entre em contato através do telefone ou whatsapp a seguir e saiba como anunciar aqui
(18) 99774 5888
Copyright © 2018 Política e Mais. Todos os direitos reservados.