ARAÇATUBA | 15 NOVEMBRO
| 18:54 | 22° MIN 31°MAX |
Pancadas de Chuva - Fonte: CPTEC/INPE
CIDADES
Anunciante
FAZER O BEM
'Descomunicação' do governo DILAFLOR não responde a perguntas. Veja o que foi questionado e teve o silêncio do Executivo
Anunciante
Em respeito a quem lê diariamente o Política e Mais, segue mais uma leva de perguntas feitas ao governo DILAFLOR -- este que está aí, formado pelo cimenteiro Dilador Borges (PSDB) e a defensora dos direitos humanos Edna Flor (PPS) -- e que não foram respondidas pela "SECRETARIA DA DESCOMUNICAÇÃO", que é comandada pelo especialista em bois e vacas Manoel Afonso Filho.


O e-mail com as perguntas foi enviado à pasta às 9h33 desta quarta-feira (29). Durante o dia, a reportagem ligou várias vezes para a secretaria e a resposta era sempre a mesma: de que os questionamentos foram distribuídos e seriam respondidos por e-mail. NÃO, NÃO FORAM. Seguindo perfeitamente a linha de TRANSPARÊNCIA E RESPEITO prometidos pelos atuais gestores do município.


Quem tiver interesse em saber o que o governo DILAFLOR NÃO QUIS RESPONDER, segue os questionamentos:


Prezada assessoria,


Segue relação de perguntas feitas pelo Política e Mais e não respondidas pela administração municipal. Mais uma vez o site reitera os questionários com se dever de questionar o Poder Público, que tem fugido de sua mais simples obrigação, que é a de esclarecer fatos à população.


PERGUNTAS FEITAS EM 27/03/2017


Prezada assessoria,

Tenho alguns questionamentos a fazer sobre questões relacionadas ao governo:

1 - Procede a informação de que a vice-prefeita Edna Flor foi submetida recentemente a um procedimento cirúrgico? O que aconteceu? É coisa simples, média, grave? Como pessoa pública, sendo procedente a informação, ela deve dizer do que se trata para não gerar especulações.

2 - Quando a Prefeitura vai responder se o ouvidor da Sosp, Joel de Melo, o Platibanda, que é concessionário de ponto de táxi no município, está nomeado de forma legal? Essa pergunta foi feita há mais de semana.

3 - A Prefeitura vai instaurar procedimento para apurar o vazamento de informações a respeito do estoque de remédios e fraldas no almoxarifado da Saúde?

4 - Sobre isso, por qual motivo, na sexta-feira, a administração municipal não informou de forma generalizada a negativa do prefeito Dilador, sobre possível ordem para o almoxarifado não ser esvaziado?

5 - A Prefeitura, pelo que a Folha da Região Publicou na sua edição de ábado (25), diz que medicamentos e fraldas são de compras recentes. Por qual motivo o ítem fralda geriátrica NÃO APARECE EM NENHUMA DE TRÊS LICITAÇÕES ABERTAS PELO MUNICÍPIO? Duas delas, para remédios de rede e medicamentos de ordens judiciais, e uma para compra de material hospitalar?

Sem mais, aguardo resposta.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

PERGUNTAS FEITAS EM 28/03/2017

Prezada assessoria,

O jornal Folha da Região noticia em sua edição desta terça-feira, que o município começou a distribuir fraldas geriátricas que, segundo o próprio informativo, até a semana passada estavam estocadas no almoxarifado da secretaria de Saúde sem que fossem entregues à população necessitada.

Diz a reportagem que se trata de uma compra feita por meio de ata de registro de preços de 2016. E que a compra foi feita no dia 9 de Fevereiro, com empenhos financeiros enviados às empresas no dia 22 de Fevereiro e que as fraldas foram entregues no almoxarifado no dia 13 de Março.

Sendo assim, gostaria de saber:

1 - Qual o número do processo licitatório usado para a compra das referidas fraldas? Em que data a licitação teve abertura de propostas e foi homologada? e Até quando esta mesma ata de registro de preços tem validade?

2 - Qual o número do empenho de pagamento feito pelo município? A qual empresa? Com qual valor? E referente à aquisição de quantas fraldas e de quais tamanhos?

3 - Se as fraldas foram entregues no almoxarifado, por qual motivo não foram distribuídas de imediato à Farmácia Municipal e UBSs? Qual a razão de se deixar um produto de necessidade e que ameniza o sofrimento de pacientes estocado por duas semanas?

4 - Na reportagem, pacientes e o município dizem que as fraldas não eram compradas desde outubro de 2016. Assumindo a atual administração em 1º de janeiro de 2017, sabendo da necessidade e da falta de fraldas para atender à população, porque o atual governo não determinou a compra imediata, nem que em quantidades menores que o habitual, para resolver o problema? Porque deixou os usuários sofrendo por mais de 2 meses e meio, sendo que neste período a atual administração fez questão de divulgar na empresa valores economizados com cortes de benefícios a servidores e até mesmo em telefonia?

5 - Na sexta-feira, dia 24, a Folha da Região também denunciou o estoque de remédios do Almoxarifado da Saúde. Por qual motivo não foram distribuídos às unidades de saúde? Quando serão? Por qual razão o governo não tomou nenhuma providência se sabia da falta de medicamentos, fato que levou o prefeito Dilador Borges a publicar vídeo no Facebook criticando o travamento de licitações que, talvez, nem se relacionam com os remédios mostrados na reportagem?

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

PERGUNTAS FEITAS EM 20/03/2017

Prezada Assessoria,

No dia 7 de dezembro de 2016, a administração municipal recebeu proposta da OS (Organização Social) Associação das Senhoras Cristãs Benedita Fernandes para gestão do CAPS III (Centro de Atenção Psicossocial Adulto) e dois SRT Tipo II (Serviços de Residências Terapêuticas) no município.

A proposta, com base na Chamada Pública 008/2016 passou por processo de julgamento da Secretaria de Saúde. Conforme edital disponível no site da transparência, a Entidade em questão se dispunha a executar a gestão do Caps III ao custo anual de R$ 1.646.654,28 e os dois SRT por R$ 668.296,08, totalizando R$ 2.314.950,36.

Ocorre que, também de acordo com o site da transparência, em 6 de janeiro a atual administração, conduzida pelo prefeito Dilador Borges (PSDB), homologou a contratação da referida entidade ao custo de R$ 15.435.197,40.

Vale destacar que o Edital inicial previa contratação de entidade para prestar serviços por até 60 meses.

Diante da diferença de valores,, pergunto:

Por qual razão o município contratou a OS Benedita Fernandes com valor da ordem de R$ 4 milhões superior ao proposto pela própria entidade, conforme julgamento feito pela Secretaria de Saúde? Qual a razão dessa elevação e de que forma ela se explica?

Sem mais, aguardo resposta.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

PERGUNTAS FEITAS EM 22/03/2017

Prezada Assessoria,

Tendo em vista que o atual contrato emergencial para coleta do lixo em Araçatuba termina em 29 de março, e que o aterro sanitário tem licença operacional até o mês de abril, gostaria de saber o que o município, em especial a atual administração, está fazendo para que Araçatuba não sofra um colapso nesse tipo de serviço.

Em 19 de dezembro de 2016, a então vereadora Edna Flor (PPS), hoje vice-prefeita de Araçatuba, protocolou na Câmara relatório de uma comissão criada em 9 maio daquele ano, no qual faz observações sobre a situação do aterro no período, impedimentos da aeronáutica para a obtenção de nova licença para ampliação da área de despejo de lixo e a necessidade de realização de estudos, em especial sobre risco aviário decorrente de aves atraídas pelo atual aterro, que está na rota de voos de aeronaves que fazem uso do aeroporto Dario Guarita.

O Política e Mais teve acesso ao documento, que tem 45 páginas no total, e nele a conclusão é de que o atual aterro está no seu limite. A referida comissão faz três propostas em caráter de urgência. No caso, a adoção de providências junto à Cetesb para que o aterro seja de imediato ampliado em 10%, ganhando uma sobrevida de 18 meses. A segunda medida, que a Prefeitura contrate empresa para realização de estudo aviário sobre os riscos oferecidos pelo atual Aeroporto, que tem área anexa que poderia ser utilizada para ampliação e o recebimento de resíduos por um longo período.

A terceira proposta, é que os novos gestores façam novos pedidas aos órgãos competentes para obter licença para ampliação do aterro, usando como instrumentos jurisprudência que permitiu ao aterro de PaulínIa, que está a uma distância inferior a 3 quilômetros do aeroporto de Americana, ter a sua capacidade ampliada mediante estudo de risco aviário e ações para o afastamento de aves do local.

DIANTE DISSO, GOSTARIA DE SABER:

1 - A prefeitura de Araçatuba abriu licitação para contratação de alguma empresa para a realização do referido estudo aviário? Isso não consta no site da transparência do município. O atual governo fez algo neste sentido?

2 - A atual administração pediu alguma autorização à Cetesb para ampliar o aterro que tem, pelo menos em 10%, garantindo local para despejo do lixo por mais 18 meses?

3 - A atual administração ingressou na Justiça com alguma medida, usando o exemplo de Paulínia, para ter seu aterro sanitário ampliado?

4 - O Município pensa, tem estudo feito para isso, no transbordo de lixo para depósito em aterro de outra cidade? Onde seria? Quanto custaria isso ao município?

5 - Sobre a coleta, a Prefeitura vai mesmo fazer uma terceira contratação emergencial para continuidade dos serviços?

6 - Em caso de uma terceira contratação emergencial, o prefeito Dilador Borges sabe que ele corre o risco de ser multado pelo TCE-SP por isso?

Enfim, o que o município tem a dizer sobre o assunto?

Sem mais, e aguardando resposta para o quanto antes.

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

PEGUNTAS FEITAS EM 21/03/2017

Prezada assessoria,

De acordo com o Portal da Transparência da Prefeitura de Araçatuba, entre os dias 25/01 e 20/03 a administração municipal fez a aquisição, por meio de compra direta de 12 assinaturas do jornal Folha da Região ao custo global de R$ 5114,04.

O valor unitário de cada assinatura corresponde a 426,17. Um valor bem acima do que é praticado pela empresa para o serviço on-line do mesmo jornal, tendo o custo da assinatura anual de apenas R$ 112,15.

Dividindo o montante gasto com assinaturas, pelo que poderia ser gasto na forma digital, seria possível fazer a aquisição de 45,6 assinaturas. Sem a necessidade de se ter acúmulo de papel, uma vez que a Folha da Região NÃO É O DIÁRIO OFICIAL DO MUNICÍPIO.

Gostaria de saber qual a necessidade desse gasto, uma vez que o atual governo prega necessidade de economia. Do mais, com uma assinatura digital, a mesma senha de acesso poderia ser distribuída a todas as secretarias, resumindo essa despesa em apenas R$ 112,15.

Não bastasse, o jornal em questão pertence à irmã e sobrinhos da atual secretária de Cultura, Tieza Marques de Oliveira (PSDB).

Desta forma, gostaríamos de saber qual a necessidade de tantas assinaturas em valor tão elevado e se o município tem plano de fazer outras aquisições do tipo.

Sem mais,

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


PERGUNTAS FEITAS EM 20/03/2017

Prezada Assessoria,

No dia 7 de dezembro de 2016, a administração municipal recebeu proposta da OS (Organização Social) Associação das Senhoras Cristãs Benedita Fernandes para gestão do CAPS III (Centro de Atenção Psicossocial Adulto) e dois SRT Tipo II (Serviços de Residências Terapêuticas) no município.

A proposta, com base na Chamada Pública 008/2016 passou por processo de julgamento da Secretaria de Saúde. Conforme edital disponível no site da transparência, a Entidade em questão se dispunha a executar a gestão do Caps III ao custo anual de R$ 1.646.654,28 e os dois SRT por R$ 668.296,08, totalizando R$ 2.314.950,36.

Ocorre que, também de acordo com o site da transparência, em 6 de janeiro a atual administração, conduzida pelo prefeito Dilador Borges (PSDB), homologou a contratação da referida entidade ao custo de R$ 15.435.197,40.

Vale destacar que o Edital inicial previa contratação de entidade para prestar serviços por até 60 meses.

Diante da diferença de valores,, pergunto:

Por qual razão o município contratou a OS Benedita Fernandes com valor da ordem de R$ 4 milhões superior ao proposto pela própria entidade, conforme julgamento feito pela Secretaria de Saúde? Qual a razão dessa elevação e de que forma ela se explica?

Sem mais, aguardo resposta.
Anunciante
O Araçatuba e Região não se responsabiliza pelas notícias de terceiros.
Entre em contato através do telefone ou whatsapp a seguir e saiba como anunciar aqui
(18) 99774 5888
Copyright © 2018 Política e Mais. Todos os direitos reservados.